Educação Ambiental

Estação Ambiental Mangue Pequeno

A Estação Ambiental Mangue Pequeno – EAMP funciona como um centro difusor de tecnologias sociais e de práticas sustentáveis. É um espaço de convergência das ações do Projeto “De Olho na Água”, destacando-se também como posto avançado de apoio a atividades científicas de monitoramento e pesquisa, de capacitação e formação, de mobilização social e de recepção a visitantes, universidades e colégios. Além do Centro de Referência, diversas tecnologias sociais estão ali expostas como o viveiro de mudas de mangue e de plantas nativas, o meliponário, onde as comunidades são orientadas para o manejo sustentável da abelha Jandaíra, o canteiro bio-séptico e o viveiro de plantas medicinais. A EAMP tornou-se uma referência no município, frequentemente utilizada pelos gestores municipais, escolas públicas e encontro de comunidades, contribuindo para criar uma nova percepção do patrimônio natural e da urgência em preservá-lo como bem coletivo, essencial para a qualidade de vida das populações que dividem o território.

Eventos

A educação ambiental desempenha papel fundamental na mobilização de escolas públicas, comunidades e de toda a população do município. Inclui oficinas, capacitações, palestras, encontros, intercâmbios e mutirões desde celebrações de datas simbólicas como o “Dia da Árvore” até a limpeza do manguezal, evento que mobiliza, além das comunidades e escolas públicas, os poderes municipais.

Visitas

As ações do Projeto “De Olho na Água” desenvolvidas nas comunidades transformaram-se em referência para práticas sustentáveis de conservação e manejo. A Estação Ambiental Mangue Pequeno funciona como centro difusor de tecnologias sociais, atraindo a atenção de escolas, universidades, visitantes e turistas. Integradas à Estação Ambiental, a passarela no manguezal e as trilhas ecológicas possibilitam uma interação profunda entre pessoas e natureza, despertando nelas não só respeito e admiração, mas principalmente uma mudança de atitude com relação ao meio ambiente.

Trilhas Ecológicas

As trilhas ecológicas foram definidas e organizadas através de oficinas com jovens das comunidades, pesquisadores das universidades, administradores municipais e associações comunitárias. As trilhas possibilitam conhecer e preservar manguezais, dunas, falésias e olhos d’água, além de proporcionar a observação de aves e de espécies raras como o peixe-boi marinho. As mais importantes são a trilha da Estação Ecológica Mangue Pequeno e manguezais da Barra Grande; das dunas, falésias e manguezais de Ponta Grossa, e das dunas e matas do Córrego do Sal. Juntas, representam a diversidade da natureza e do modo de vida das comunidades de Icapuí. Cada uma dessas trilhas está inserida na “Teia da Sustentabilidade”, programa da Fundação Brasil Cidadão que integra os conhecimentos tradicional e científico e coordena diversos projetos de preservação do patrimônio natural de Icapuí.

Cartilhas

As cartilhas são um dos mais importantes instrumentos na conscientização e mobilização das comunidades, escolas, professores, gestores municipais e visitantes.
Foram lançadas 6 cartilhas com foco nas principais ações e objetivos do Projeto:

  • O que precisa saber pra ficar de olho na água
  • Canteiros bio-sépticos e cisternas de ferrocimento” com orientações para a construção e manutenção, possibilitando sua disseminação para outros lugares.
  • Unidades de Conservação”, informando a população sobre as ações comunitárias e institucionais para a sustentabilidade.
  • Ecossistemas, funções e serviços ambientais” com informações sobre o patrimônio natural e a biodiversidade local.
  • Conhecendo as abelhas”, um guia completo com informações sobre as abelhas e sua importância para a vida, principalmente para a conservação dos ecossistemas.
  • Água e mudanças climáticas”, contendo informações científicas e orientando sobre a utilização racional da água.

 

Na Página “Publicações” você encontra para download uma série de livros publicados e também cartilhas sobre educação ambiental.

Escolas

As escolas públicas municipais merecem uma atenção especial dentro das ações do Projeto. Todo o conhecimento produzido é compartilhado com os alunos e professores por meio de publicações como banners, cartilhas, livros como o “Guia de Plantas Visitadas por Abelhas na Caatinga”, “Aves Costeiras de Icapuí”, “Mamíferos de Icapuí”, “Atlas Geofísico de Icapuí”, “Atlas Socioambiental de Icapuí” e “Memória Viva de Icapuí”. A mobilização envolve também visitação à Estação Ambiental com oficinas, capacitações, trilhas, concursos de redação, palestras e participação em eventos.

Passarela

A passarela de 240m no manguezal de Icapuí constitui-se em um equipamento de educação ambiental único e destina-se a revelar a imensa biodiversidade que ocorre nesse ecossistema. Além de proporciona a convivência com natureza, consolidou-se como importante atração turística, carreando para o município fluxos crescentes de visitantes, que geram renda para as comunidades. No extremo da passarela está o observatório da vida marinha, espaço reservado para pesquisadores que encontram no mangue terreno fértil para seus estudos. O percurso da passarela permite um “mergulho” no mangue ao nível da copa das árvores, possibilitando a visualização de aves, peixes e pequenos mamíferos.