Quem Somos

O que é o Projeto “De Olho na Água”

O Projeto “De Olho na Água”, criado e implantado pela Fundação Brasil Cidadão no município de Icapuí, litoral leste do Ceará, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Socioambiental e Governo Federal, constitui-se num modelo pioneiro de abordagem integrada para o desenvolvimento local sustentável.

Com uma visão ecossistêmica de território, aliando conhecimento científico e tradicional com práticas ambientalmente sustentáveis, o Projeto “De Olho na Água” vem gerando um completo banco de dados, importante instrumento para a gestão ambiental do município, com informações detalhadas para a implantação de uma política pública eficiente na conservação e manejo sustentável dos recursos naturais.

O Projeto “De Olho na Água” possui três diretrizes básicas:

  • Planejamento e gestão ambiental

  • Desenvolvimento socioeconômico sustentável

  • Mudança de atitude.

As ações são desenvolvidas nos seguintes eixos:

Conhecimento científico e tradicional

Conhecimento cientifico e tradicional como ponto de partida para a gestão ambiental mediante a recuperação dos ecossistemas marinhos costeiros e da qualidade de vida de todas as espécies; redução das emissões de CO2 com a recuperação das áreas degradadas do manguezal e o replantio de mudas de mangue e de plantas nativas; instalação de canteiros bio-sépticos e cisternas para captação de águas pluviais.

Implantação e difusão de tecnologias sociais

Implantação e difusão de tecnologias sociais para promover práticas sustentáveis de baixo impacto ambiental e geradoras de renda para as comunidades como o cultivo sustentável de algas marinhas e sua transformação em alimentos e cosméticos; a criação da Jandaíra, abelha nativa sem ferrão, para a produção de mel e polinização da flora nativa; a implantação de hortas comunitárias, e o desenvolvimento do turismo comunitário.

Mudança de atitude

Mudança de atitude tendo a educação ambiental como motor da transformação das relações das pessoas frente ao meio ambiente, criando o sentimento de pertencimento e o protagonismo das comunidades com o fortalecimento da cidadania; a comunicação como elemento mobilizador da sociedade, a capacitação para a autonomia das associações comunitárias e a formação do capital social local.